quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DO “DISSE QUE ME DISSE”: MARCO ZERO DE SANTO AMARO/SP

Santo Amaro e seu MARCO ZERO: A CATEDRAL




O "tarugo de ferro fundido" atualmente fixado no Largo 13 de Maio à frente da Catedral de Santo Amaro foi idealizado no governo do Intendente (depois de 1930 foi substituído por prefeito) de Obras Gomes Cardim, empossado em 1897!






Essa peça é uma base que foi colocada primeiramente na ILHA DOS AMORES (hoje parte do parque Dom Pedro/SP) e depois remanejada para o Largo do Arouche, junto com a obra “JOVEM PAGEM”, feita na França pela Fundição VAL D’OSNE[1](Seu fiel depositário atualmente é o CEJUR, Centro Jurídico, situado no Pátio do Colégio, em São Paulo)






(O porquê a base e a obra foram separadas nem a Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura da Cidade de São Paulo. que cuida de Monumentos, situada na Avenida São João, 473, próximo ao Largo Paissandu, prédio do Cine Olido, soube explicar!)

Complementos:

SANTO AMARO E SUA MATRIZ

CATEDRAL DE SANTO AMARO/SP E A RESTAURADORA ANA LÚCIA DA SILVA SANTOS


Transição de Paróquia à Catedral de Santo Amaro / São Paulo


A CATEDRAL DE SANTO AMARO-REABERTURA 8 DE DEZEMBRO DE 2012


A Fundição de Val d'Osne e a Aurora de Santo Amaro, SP




[1] Há uma obra denominada Aurora totalmente danificada da mesma fundição e que está situada à Praça Coronel Lisboa, na Rua da Fraternidade, em Santo Amaro/SP

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

UMA CRIANÇA EM UM CAMPO DE CONCENTRAÇÃO: Josef Schleifstein

A VIDA É BELA...E REAL

A história do menino Joseph Schleifstein, registrado Janek Szlajfsztajn filho de Israel e Esther Szlajfsztajn (Née Shvitzman) que sobreviveu a um campo de concentração.

PREFÁCIO

Joseph Schleifstein,nasceu em 7 de março de 1941, é polonês naturalizado americano que sobreviveu ao campo de concentração de Buchenwald com idade de quatro, o mais jovem a sobreviver o Holocausto.

Ele ficou escondido pelo seu pai em um saco grande, evitando a detenção por guardas alemães da SS, ao chegar ao acampamento. Outros prisioneiros ajudaram seu pai a mantê-lo escondido e Schleifstein sobreviveu até os americanos libertarem o campo.
Após a guerra, Schleifstein e seus pais emigraram para os Estados Unidos. Ele não falava de suas experiências de guerra, mesmo com seus filhos. Seu caso foi descoberto por acaso em 1999 no aniversário do filme A VIDA É BELA. Descobriu-se a história do Schleifstein que foi inspiração para o roteiro.

OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO


Josef Schleifstein (no centro) com outras crianças: Campo de Buchenwald

Schleifstein nasceu Josef (Janek) Szlajfsztajn filho de Israel e Esther Szlajfsztajn (Née Shvitzman) vivendo no gueto judeu Sandomierz, Polônia, durante a ocupação alemã. Schleifstein e seus pais viveram no gueto de Sandomierz que foi evacuado em junho de 1942, depois eles foram removidos para o gueto de Częstochowa, onde seus pais provavelmente foram colocados para trabalhar na fábrica HASAG. Os pais do menino Schleifstein o mantiveram escondido nos porões porque guardas nazistas levavam crianças, pois eram jovens demais para ser usado como trabalhadores e, portanto, "inúteis", sendo enviados para as câmaras de gás de Auschwitz. As memórias do menino Schleifstein em ser escondido nos porões escuros assombraram-no por anos, causando-lhe "pesadelos horríveis", dando-lhe um medo da morte e aversão ao longo da vida por ficar no escuro.

Em 1943, a família foi deportada para o campo de concentração de Buchenwald. Na chegada, os pais do Schleifstein foram enviados diretos para se tornarem trabalhadores escravos e ele foi enviado para o grupo de crianças pequenas e idosos considerados incapazes para o trabalho, que deveriam ser mortos imediatamente.

O documento americano judeu comum distribuição Comitê American Jewish Joint Distribution Committee (JDC) de 1947, foi quem primeiro trouxe à luz, o caso do Schleifstein observando que "na confusão geral de fila, no entanto, o pai de Josef, colocou-o em um saco grande, recomendando-o em manter silêncio absoluto, tendo ele apenas 2 anos e meio." O saco de couro continha ferramentas do pai e alguns vestuário da família Schleifstein o que permitia ser transportada para o acampamento, sem ser detectado pelos guardas. A mãe do menino Schleifstein foi enviada ao campo de concentração de Bergen-Belsen. Muitos foram enviados para a morte.

Por um tempo, Schleifstein foi escondido por seu pai com a ajuda de dois prisioneiros alemães anti-fascista, mas ele foi descoberto. Os guardas da SS começaram a gostar dele e veio a tratá-lo como um mascote do "acampamento", recebendo no campo uniforme e a tomar parte na chamada da manhã onde ele iria saudar o guarda e o relatório, "Todos os prisioneiros contabilizados".
Não obstante, quando havia inspeções formais de oficiais nazistas, o menino Schleifstein tinha que ser escondido, mas uma vez alinhado para execução, sendo salvo pela intervenção de seu pai. Seu pai era valorizado pelo seu serviço fazendo selas e arreios.
Schleifstein declarou que a certa altura ficou muito doente e teve que viver no hospital do acampamento. 

O menino Schleifstein e seu pai foram libertados pelo exército americano em 12 de abril de 1945 e os soldados encontraram mais de 21.000 prisioneiros em Buchenwald, incluindo quase 1.000 menores, principalmente adolescentes. 


Josef Schleifstein com sobreviventes judeus

O menino Schleifstein foi fotografado inúmeras vezes quando o acampamento foi libertado, incluindo foto dele sentado sobre a plataforma de um caminhão de Nações Unidas para assistência e reabilitação de administração.

Ele e as outras crianças não tinham nada para usar devido à escassez de roupa, e usavam roupas de uniformes de soldados alemães. As memórias de Schleifstein sobre a libertação foram gravadas pelo JDC no documento de 1947. 

"Joseph recorda daquele dia com alegria por várias razões. Primeiro, porque a partir desse dia, ele já não tinha que se esconder. Em segundo lugar, porque ele começou a ter “muito mais para comer e beber”. E em terceiro lugar, Joseph lembra-se com a maior alegria, porque havia “um monte” de passeios que os americanos deram em seus tanques e jipes.”
 Buchenwald 1945 -Army Signal Corp

Após a libertação, o JDC arrumou para o menino Schleifstein e seu pai tratamento médico na Suíça. Poucos meses depois, eles voltaram para a Alemanha para procurar sua mãe, encontrando-a na cidade de Dachau.


Joseph com seu pai: DACHAU 1945.

A família morou lá por um tempo e, em seguida, emigrou para os Estados Unidos em 1948, com a ajuda do JDC. Enquanto viveu lá, o menino foi entrevistado e fotografado vestindo seu uniforme de Buchenwald. Ele também participou do julgamento, de Buchenwald, realizado em Dachau, na Alemanha, feito por um tribunal militar americano de 11 de abril de 1947 a 14 de agosto de 1947. 
Os pais Israel e Esther Schleifstein com  Joseph.

O menino Schleifstein testemunhou para a acusação contra os réus, 31 ex-guardas e funcionários do acampamento, sendo que dos 31 acusados, que incluía quatro detentos acusados de crimes contra outros detentos, 22 foram condenados à morte; o resto foram sentenciados à prisão. 

Joseph Schleifstein não falava sobre suas experiências, mesmo com seus próprios filhos, até décadas mais tarde, após o lançamento do filme de Roberto Benigni, A Vida é Bela, sobre uma criança em um campo de concentração. Relato obtido por um arquivista da JDC que se deparou com registros sobre Joseph Schleifstein enquanto fazia pesquisas para uma exposição. Uma das fotografias da exposição feita por Wendy Ewald, era de Schleifstein.

Josef Schleifstein, libertado com 4 anos

Uma pesquisa foi feita pelo JDC e The Jewish Week e depois de um mês Joseph Schleifstein, foi viver na cidade de Nova York. A família tinha se estabelecido no Brooklyn, onde uma segunda criança nasceu em 1950. Israel Schleifstein morreu em 1956 e sua esposa em 1997.

Joseph Schleifstein trabalhou nos Estados Unidos na empresa AT&T (American Telephone & Telegraph) por 25 anos, aposentando-se em 1997.

OBS:

JDC (American Jewish Joint Distribution Committee)


sábado, 10 de fevereiro de 2018

JOSEF GANZ O CRIADOR DO PRIMEIRO VOLKSWAGEN

Uma questão do crédito de patente
Josef Ganz (1898-1967) era húngaro com cidadania alemã (oficialmente cassada 1938, assim como propriedades confiscadas, inclusive suas diversas patentes) e lutou pela modernização da indústria automobilística alemã, defendendo a ideia de produção de veículos mais baratos, econômicos e seguros. Graças à sua perseverança, as mudanças técnicas por ele defendidas foram adotadas em larga escala pelos fabricantes automotivos alemães. Josef Ganz usou o termo "Volkswagen " (carro do povo, em alemão) para caracterizar seu conceito sobre um carro leve e barato o suficiente para o trabalhador alemão.
Com os automóveis Ardie-Ganz, Adler Maikäfer (termo alemão para “besouro” outro nome dado ao fusca) e Standard Superior, bem como com seus escritos progressivos e a promoção do conceito de um Volkswagen na revista Motor-Kritik desde a década de 1920, Josef Ganz é aclamado como sendo o inventor do Volkswagen e não Ferdinand Porche. Estes carros tinham algumas das características do posterior Fusca, como o chassis tubular, motor montado na parte traseira e rodas com suspensão independente com eixos oscilantes.
O primeiro modelo de produção da Standard Superior foi introduzido na IAMA (Internationale Automobil- und Motorradausstellung), em Berlim, em fevereiro de 1933. Ele tinha um motor transversal de dois tempos e 396 cc, de dois cilindros, montado na frente do eixo traseiro.  Em novembro de 1933, a Standard Fahrzeugfabrik introduziu outro modelo novo e melhorado para 1934, um pouco mais longo com uma janela adicional em cada lado e com um pequeno assento para crianças ou como espaço de bagagem na traseira. Este carro foi anunciado como o "Volkswagen" alemão, (um termo que significa, literalmente, "carro do povo" em alemão) a primeira vez que esta palavra foi usada. Até então somente o termo "Volksauto" tinha sido usado.
Com os automóveis Ardie-Ganz, Adler Maikäfer e Standard Superior, bem como com seus escritos progressivos e a promoção do conceito de um Volkswagen na revista Motor-Kritik desde a década de 1920, Josef Ganz é aclamado por algumas pessoas como sendo o inventor do Volkswagen Fusca.

Para executar o plano de Hitler de criar um carro para o povo alemão, a frente nazista cogitou três nomes: Ferdinand Porsche, Josef Ganz e Edmund Rumpler. Dos três engenheiros, Ganz e Rumpler logo foram descartados por serem judeus. Assim, Ferdinand Porsche é colocado à frente do desenvolvimento do Volkswagen com desenhos e recursos técnicos claramente condizentes com as ideias de Josef Ganz.

Ganz vai para a Suíça e começa a desenvolver um automóvel popular com apoio do governo junto com a Rapid Motormher AG e consegue um visto de residência de um ano.

Ao mesmo tempo em que os noticiários alemães davam conta de que Ferdinand Porsche estava desenvolvendo o Volkswagen, que agora era uma marca registrada no Escritório de Patentes de Berlim o que impedia todos os fabricantes de usarem o nome Volkswagen.

Referência:


Schilperoord, Paul. A Verdadeira Historia do Fusca. São Paulo: Editora . 2011

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

SÃO PAULO E SUA CATEDRAL EM FOTOS

 464 ANOS BEM VIVIDOS: DA VILA DE TAIPA, PARA O TIJOLO DE BARRO AO CONCRETO ARMADO
A ANTIGA CATEDRAL DE SÃO PAULO FICAVA SITUADA ONDE HOJE ESTÁ LOCALIZADO O MONUMENTO DE PADRE ANCHIETA, NA PRAÇA FRONTAL DA ATUAL MATRIZ


Foi anunciada a demolição da antiga catedral e a construção da nova (atual) pelo Bispo Diocesano DOM DUARTE LEOPOLDO E SILVA em 25 DE JANEIRO DE 1912


A "NOVA" EMPREITADA TEVE INÍCIO COM DEMOLIÇÕES TRANSFORMANDO O SENTIDO URBANO NO ENTORNO 
Onde está a Sede (SÉ) da Igreja Matriz (Catedral) localiza-se o Marco Zero que define o ponto de partida pra toda capital e até as estradas do Estado.



(CRÉDITOS DAS IMAGENS: EM PESQUISA)
















No aniversário dos 400 anos da Cidade de São Paulo ganhava sua nova Catedral